Registro do processo de trabalho de docentes da rede pública, estudantes e pesquisadores de artes visuais: - Investigação de procedimentos fotográficos históricos e artesanais em relação com o ensino da arte; / - Reflexão sobre a relação entre processo educativo, fotografia, arte, tecnologia e produção e circulação da imagem fotográfica na contemporaneidade; / - Expressão artística do grupo.

Percurso de trabalho relatado pelos bolsistas: 2018 - Fernando de Sousa Rodrigues (EBA/PIBIC/Coordenação), Daniela Schmidt Castro (EBA/Profaex), Gabriel Amorim Ribeiro (Letras/Profaex), Rafael (EBA/PIBIAC), Isabel (Letras/PIBIAC), Alice Branquinho (CAp/PIBIC-EM), Isabela Magalhães (CAp/PIBIC-EM) / 2017 - Fernando de Sousa Rodrigues (PIBIC), Romulo Andrade de Oliveira (PIBIAC), Luiz Henrique Duarte (PIBIAC), Myllena Araujo (PIBEX), Ramon de Oliveira Fonseca Filho (PIBIC-EM). / 2016 - Alineleni Yuma, Fernanda Almeida (PIBIC-EM), Fernando de Sousa Rodrigues (PIBIAC), Luiz Henrique Duarte (PIBIAC), Myllena Araújo (PIBEX Especial), Ramon de Oliveira Fonseca Filho (PIBIC-EM), Ricardo Kranen (FAU/PIBIC), Thiago Ortiz / 2015 - Alineleni Yuma (PIBIC), Barbara Borges (DireçãoTeatral/PIBIAC), Fernanda Almeida (PIBIC-EM), Fernando de Souza Rodrigues (PIBIAC), Luiz Henrique Duarte (PIBIAC), Myllena Araújo (PIBIAC), Ricardo Kranen (FAU/PIBIAC), Thiago Ortiz (PIBIAC) / 2014 - Alineleni Yuma (PIBIC), Maytê Lyrio, Quesia Alves, Rafael Ribeiro (PIBIAC) / 2013 - Fabricio Delesderrier (PIBEX), Ester de Barros, Leandro Farias, Maytê Lyrio e Thayssa Conti (PIBIAC).

terça-feira, 25 de junho de 2013

Leitura de Imagens

   O encontro do foi coordenado pela professora Ana Lucia de Almeida Souto Mayor do CINEAD, compartilhando uma discussão sobre a relação entre a narração e a significação da imagem fotográfica. A dinâmica da noite foi marcante e emocionante. Como havíamos combinado no encontro anterior, os integrantes levaram fotos que consideravam importantes para eles. Duplas foram formadas e o objetivo era criar uma narrativa para a foto da sua dupla. Tivemos momentos de muita surpresa e emoção quando foram apresentados os textos.


     Segue uma imagem e o texto produzido a partir de uma interpretação, sem qualquer intervenção do dono da imagem. É a imagem falando por si só...








Te vi vendo as flores
Vi as flores vendo você
Me vi,vendo você
Vi você,vendo em você

Vi muito mais que as flores
Vi muito mais do que você e eu
Simplesmente te vi daqui

Te vi, dizendo
Te vi, sorrindo
Te vi, correndo
Te vi, sumindo

Me vi, lembrando
Me vi, saudando
Me vi, voltando
Me vi, amando

Hoje, agora
Captei o que vi
foi simplesmente as flores
essas flores Dalí.

Foto: Fernanda Omelczuck
Texto: Ester de Barros

      Os textos nos surpreenderam com uma forte carga de emoção. Foram produzidos sem ter conhecimento prévio da história pessoal da foto e, entretanto, possuíam uma proximidade surpreendente com o significado que a imagem representava.


Confira:
Wim Wenders - Revista ZUM 






quinta-feira, 20 de junho de 2013

Composição / Elementos visuais

O Beijo. Robert Doisneau


Nesse último encontro, foi dada continuidade ao tema da aula passada: composição e elementos visuais. No primeiro momento, foi feita uma leitura das imagens fotográficas produzidas pela turma, para a ultima atividade solicitada (o retrato com ênfase em algum, ou alguns, elementos visuais em sua composição), observando, principalmente, a influencia que estes elementos compositivos exercem sobre o olhar e, consequentemente,sobre as diversas interpretações da imagem.
Veja AQUI as imagens produzidas.

 De forma iniciadora, também foi discutida a relação texto/imagem, pensando a narrativa da imagem e o convencimento textual.
Para ilustrar estas questões, foram apresentados trabalhos realizados por artistas renomados como: o cineasta Chris Marker e os fotografos, Cartier Bresson e Robert Doisneau.

Mais especificamente, a série fotográfica "Passengers" de marker, a fotografia produzida por Bresson no texto "Le capture de l'image", o filme "tout simplesment" de Patrick Jeudy, a respeito de Doisneau, contendo uma narrativa de sua produção fotográfica, e por fim a apresentação do "Album", uma curiosa história que percorre a relação entre texto e imagem, além das questões visuais elementares.

Atividade proposta para a próxima aula: Levar uma foto que você considera significativa, para troca e criação da narrativa. Além disso, teremos como base teórica/ prática para tal exercício, a palestra que será realizada pela professora Ana Lúcia Soutto Mayor  pesquisadora do Cinead.

Vale notificar também, as exposições fotográficas que estão em curso:

- Genesis, de Sebastião Salgado
- A vida em movimento, Jacques Henri Lartigue

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Daguerreótipo



Casal desconhecido segurando um daguerreótipo (1850)




















A daguerreotipia é um processo fotográfico feito sem uma imagem negativa e foi criada em 1837 pelo francês Louis-Jacques-Mandé Daguerre (1787-1851). O método consiste em uma lâmina de prata sensibilizada com vapor de iodo, formando iodeto de prata sobre a lâmina que ao ficar exposta de 20 a 30 minutos na câmara escura, os cristais de iodeto de prata que foram atingidos pela luz, se transformam em prata metálica formando uma imagem latente que pode ser revelada pelo vapor de mercúrio, e as partes que foram pouco iluminadas quase não formam imagem.
 Para a fixação de uma imagem na lâmina, é utilizada a solução de hipossulfito de sódio, que solubiliza o iodeto que não reage e após a aplicação, a lâmina é lavada em água corrente. 
O resultado é um positivo detalhado, em baixo relevo e com infinitas tonalidades de cinza, sua superfície é delicada e é preciso ser protegida com um cristal e hermeticamente fechada para evitar o contato com o ar (como foi visto no retrato que a professora Cristina levou na aula).

Louis Adolphe Humbert de Molard. Louis Dodier em prisionnier. Daguerreótipo, 1847




















Os daguerreótipos eram apresentados em luxuosos estojos decorados - inicialmente em madeira revestida de couro e, posteriormente, em baquelite - com passe-partout de metal dourado em torno da imagem e a outra face interna dotada de elegante forro de veludo.

Unidentified boy and large white dog on bench-1850
Daguerreótipo-tamanho: 8 x 6.9 cm (3 1/8 x 2 (1/16 in.),
George Eastman House Collection.
























O Retrato fotográfico


Sobre a carte de Visite, ver definição AQUI.


André Adolphe Eugeni Disderi. MMe Fay em oito poses. 1859.


FELIX NADAR



Felix Nadar. Pierrot Photographe. 1854.
Serie Charles Deburau.



Mais fotos da autoria de Nadar AQUI e AQUI.


OFICINA DE DAGUERREOTIPIA
Studio Seculo XIX - Francisco Moreira da Costa
Mais informações AQUI!


COMPOSIÇÃO E ELEMENTOS VISUAIS


Para conhecer os elementos visuais, segue AQUI uma sugestão de leitura.

Um bom resumo sobre composição fotográfica neste site AQUI.

Para próxima aula devemos trazer um retrato em que haja ênfase  em algum (ou aguns) elementos visuais em sua composição, por exemplo na linha, ou na luz, cor, contraste e todos os outros elementos que compõem a fotografia.

Não esqueçam de colocar as fotos no Picasa Web para agilizar o nosso próximo encontro!

segunda-feira, 3 de junho de 2013

RETRATOS

Olá!
Nesta semana não haverá Oficina!

Continua valendo para o próximo encontro, dia 10 de junho, trazer um retrato de sua autoria e, se possível, um retrato que tenha servido de referencia ou que tenha alguma relação (na forma, na técnica, no tema, etc) com a sua foto (que sabe algo do Sebastião Salgado, Robert Doisneau, Henri Cartier Bresson.... ).

Vejam aqui nesse link os retratos já enviados!

Até!