Registro do processo de trabalho de docentes da rede pública, estudantes e pesquisadores de artes visuais: - Investigação de procedimentos fotográficos históricos e artesanais em relação com o ensino da arte; / - Reflexão sobre a relação entre processo educativo, fotografia, arte, tecnologia e produção e circulação da imagem fotográfica na contemporaneidade; / - Expressão artística do grupo.

Percurso de trabalho relatado pelos bolsistas: 2018 - Fernando de Sousa Rodrigues (EBA/PIBIC/Coordenação), Daniela Schmidt Castro (EBA/Profaex), Gabriel Amorim Ribeiro (Letras/Profaex), Rafael (EBA/PIBIAC), Isabel (Letras/PIBIAC), Alice Branquinho (CAp/PIBIC-EM), Isabela Magalhães (CAp/PIBIC-EM) / 2017 - Fernando de Sousa Rodrigues (PIBIC), Romulo Andrade de Oliveira (PIBIAC), Luiz Henrique Duarte (PIBIAC), Myllena Araujo (PIBEX), Ramon de Oliveira Fonseca Filho (PIBIC-EM). / 2016 - Alineleni Yuma, Fernanda Almeida (PIBIC-EM), Fernando de Sousa Rodrigues (PIBIAC), Luiz Henrique Duarte (PIBIAC), Myllena Araújo (PIBEX Especial), Ramon de Oliveira Fonseca Filho (PIBIC-EM), Ricardo Kranen (FAU/PIBIC), Thiago Ortiz / 2015 - Alineleni Yuma (PIBIC), Barbara Borges (DireçãoTeatral/PIBIAC), Fernanda Almeida (PIBIC-EM), Fernando de Souza Rodrigues (PIBIAC), Luiz Henrique Duarte (PIBIAC), Myllena Araújo (PIBIAC), Ricardo Kranen (FAU/PIBIAC), Thiago Ortiz (PIBIAC) / 2014 - Alineleni Yuma (PIBIC), Maytê Lyrio, Quesia Alves, Rafael Ribeiro (PIBIAC) / 2013 - Fabricio Delesderrier (PIBEX), Ester de Barros, Leandro Farias, Maytê Lyrio e Thayssa Conti (PIBIAC).

quarta-feira, 29 de junho de 2016

Encontro VIII - Modulo I



http://sallymann.com




No nosso ultimo encontro a professora Claudia Elias nos apresentou a fotógrafa norte americana Sally Man. Suas séries envolvem um trabalho com grande formato, é sempre em preto e branco e protagoniza sua família. 




http://www.geraldodebarros.com/main/







http://www.vivianmaier.com




Assistimos um curta metragem baseado na fotógrafa Vivian Mayer, que também trabalha com fotografias preto e branco e tem como sua principal linguagem o Street Photography, buscando um olhar particular da cidade e a vida urbana.


sábado, 25 de junho de 2016

Investigações fotográficas - Oficina Experimental de Fotografia - 18/06/2016

Tema:
BORRAR E CONGELAR - o OBTURADOR e o trabalho conjunto com o diafragma, ISO e Fotômetro.

















Cobertura fotográfica da Oficina - Fernando Rodrigues

Segue uma seleção das fotos produzidas na OFICINA deste dia!


Analice Paron


Débora Santana de Oliveira

Debora Santana
Debora Santana
Denise Trindade 
Denise Trindade


Debora Santana de Oliveira

Douglas Oliveira (Câmera analógica)





















































Camilla Felippe



Cristiano Campos

José Carlos Kopke

Rosiane Dourado



Participantes da Oficina:

Analice Paron
Angelo Pereira
Camila Felippe
Camillo Villegas Vargas
Cristiano Campos
Debora Santana de Oliveira
Denise Trindade
Douglas Oliveira
José Carlos Kopke
Luiz Henrique Duarte Junior
Raquel Maria da Silva
Ricardo Kranen
Rosiane Dourado
Thamila Talarico

Monitoria:
Aline Macedo
Gilberto Hora
Junior Farias
Vanessa Martinez

Bolsistas responsáveis:
Myllena Araújo
Fernando Rodrigues

quarta-feira, 22 de junho de 2016

Encontro VII parte 2- Repertório - Módulo I





Roger Ballen – Nasceu em Nova York em 1950, mas pouco depois de completar trinta anos de idade optou por viver na África do Sul. Geólogo de formação, passou a se dedicar à fotografia impactado pela cultura local.















A câmera fotográfica de Ballen funciona tanto como um caderno para anotações rápidas, quanto instrumento para construções longamente elaboradas. As suas séries investigam a fundo a condição humana, sem concessões de ordem estética ou sentimental. O preto e o branco de suas imagens lhes conferem uma aspereza peculiar muito distinta das sutilezas tonais da fotografia clássica. O corpo, a natureza, a cultura, a barbárie, a loucura e a animalidade são apenas alguns dos temas por meio dos quais Ballen nos conduz em uma jornada atemporal e paradoxalmente contemporânea.



Residente na África do Sul desde os anos 80, filho de uma família ligada a fotografia, sua mãe era assistente da revista Magnum e teve sua própria galeria. Exerceu por muito tempo sua profissão de formação como geólogo, além de também ser graduado em psicologia e doutor em filosofia, Ballen em suas imagens, sempre em p&b abarcou um universo que pode-se definir como “fotogenia documental do bizarro”.






“É crucial para a minha estética que minhas imagens  existam na realidade ambígua;
um lugar que não é definido nem por documentação nem por fantasia.”

Roger Ballen




Assistimos:
Roger Ballen's Outland (2015)




Conheça também:
Roger Ballen's Asylum of the Birds (full film)